Salve Jorge tem qualidades?

28 de março de 2013 2 Por Endrigo Annyston

As criticas todos já sabem: personagens fantasmas, cenas que abusam da falta de lógica e erros de continuidade gritantes. Salve Jorge que vem crescendo na audiência desde a falsa morte da personagem Morena (Nanda Costa) não teria suas qualidades? Sim, e não são poucas.

A começar pelo elenco feminino. Os que são aproveitados e tem seu destaque não marcam bobeira. Nanda Costa já é inquestionável como a melhor escolha para viver Morena. Apesar de novata na TV e fazer a sua primeira protagonista, a atriz é excelente e não deixa nada a dever. Não é “engolida” por outros atores, ela consegue se destacar. Mas Giovanna Antonelli se tornou a bola da vez. A delegada Helô roubou a novela pra si e cada vez aumenta mais a sua participação na trama. O carisma da atriz junto ao ator Alexandre Nero, seu ex-marido, dão leveza e divertimento a novela. Entre outros destaques, seguem também Bruna Marquezine, Totia Meirelles, Dira Paes, Paloma Bernardi, Laryssa Dias, Roberta Rodrigues, entre outros.

O merchandising social sobre tráfico humano é outro ponto a favor. Apesar das fugas que nunca se concretizavam, a falta de nexo em determinadas situações, a mensagem ali passada está bem absorvida. O público consegue entender que sim, isso ocorre e muito, afinal é a terceira atividade ilícita mais rentável do mundo. É bom a população se manter alerta.

Outra questão bem diluída é o divórcio de Antônia (Letícia Spiller) e Celso (Caco Ciocler), com a luta pela guarda da filha Raissa (Kiria Malheiros). Ali vemos o caso não muito distante do dia a dia quando interesses pessoais se sobressaem ao bem estar de uma criança.

Celso se sentindo traído realizando a alienação parental (proibido por lei, quando o pai ou a mãe fala mal um do outro, fazendo com que a criança acredite que um deles possa lhe fazer mal), utilizando a própria filha para atingir a ex-esposa, não se preocupando com as conseqüências que pode gerar a essa menor. A trama é bem desenvolvida e conta com boas cenas dos atores que estão conduzindo bem o núcleo.

Apesar de seus exageros, elenco numeroso, personagens sem importância e tramas paralelas dispensáveis, erros que abusam da “licença poética”, é possível destacarmos qualidade na trama de Glória Perez. Mas isso não faz dela uma novela inesquecível ou que o brasileiro irá aguardar ansioso por reprise.

* Guilherme Rodrigues