Se o mundo acabar no próximo dia 21 a culpa será da nova classe C

10 de dezembro de 2012 0 Por Endrigo Annyston

Agora virou moda. Quando uma novela não dá os devidos índices de audiência os autores culpam a nova classe C ao invés de olhar para suas tramas e ver o que realmente está acontecendo para afugentar os telespectadores. Só que as novelas, bem antes de se constatar a existência dessa classe, oscilam. Sempre houve tramas que agradaram e fizeram muito sucesso e tramas que desagradaram.

Novelas não são feitas para uma só classe. É um produto para todos, já que conta com um público diversificado. Por isso deve ter elementos que agradem a todos. A questão é que há tramas que por serem populares, mais fáceis de entender, conseguem ter uma audiência maior porque a maioria da população se enxerga ali. Uma novela ao retratar só o mundo dos ricos não conseguirá mesmo fazer muito sucesso já que a maioria da população do país não pertence a essa classe. O mesmo vale para determinados assuntos como por exemplo a parte histórica, se uma novela aprofundar muito no tema, ao invés de usa-lo só como pano de fundo, corre sério risco de ser rejeitada, pois a maioria não tem conhecimentos prévios suficientes sobre os assunto para entendê-lo em uma novela e mais: para entender como esses fatos interferem na vida dos personagens.

Novelas como Fina Estampa, Cheias de Charme e Avenida Brasil, os últimos grandes sucessos, não conseguiriam tamanho ibope se fossem assistidas só pela nova classe C. Eram populares sim, mas tinham elementos que agradavam a todos. O que resta aos autores é descobrir como fazer uma mistura de temas e classes que agradem a maioria. A questão chave é achar o ponto certo e não ficar culpando essa ou aquela classe pelos fracassos e nem pelos sucessos. Fico por aqui, um abraço e até a próxima.

* Gilmar JM