Seis piores produções da TV aberta em 2012

Como nem tudo são flores, a TV aberta também contou com produções que deixaram a desejar. Seja por técnica, formato, tema ou outro qualquer nicho de qualidade duvidosa, aqui estão seis casos a serem esquecidos ou usados como exemplo a não ser seguido para os próximos anos:

Corações Feridos

A novela já havia sido gravada em 2010, anunciada em outros horários, até que a emissora decidiu exibir na faixa noturna em 2012. Tecnicamente mal feita, com péssimos atores e capítulos arrastados, onde simples acontecimentos duravam semanas. Teve baixa audiência e pouca aceitação pelo público.

Casseta & Planeta Vai Fundo

Nem convidando celebridades musicais ou da própria casa houve solução. O programa tentou vir com um formato diferente, mas no fundo era o mais do mesmo que já exibiam há anos, quando era apenas Casseta & Planeta. Tornou-se sem graça .

Tudo é Possível

Concurso de humor, vídeos da internet, concurso envolvendo modelos e a casa da apresentadora. Foram várias as tentativas, mas nada inovador ou que chamasse a atenção do público. Foram perdendo audiência, ficando em 3º lugar, o que ocasionou o seu cancelamento na programação da emissora em 2013.

Muito Mais

Um típico programa de fofoca sobre o mundo das “celebridades” foi ficando cada vez mais apelativo e rendendo somente inimizades a quem apresentava, já que o público já tinha caído fora nesse momento, quando registravam entre 2 e 3 pontos no Ibope.

Máscaras

Lauro César Muniz e sua pior novela. Muita confusão que deixava o público perdido e indisposto a acompanhar o que seria aquela história, que no fundo acho que o próprio autor em dado momento não sabia mais por onde ir. Momento a ser esquecido.

Sexo a 3

“Olha que bunda! Que bunda!”. Esse é apenas uma das frases que se era ouvida nesse que foi o pior momento da TV. Um programa que falava sobre sexo, onde Dr. Rey acompanhado de ex-BBBs e Monique Evans abusava da canastrice e termos que só ele mesmo conseguia entender e achar engraçado. Bizarro.

Menções “honrosas”: Aquele Beijo. Novela que só veio a reforçar a tese de que Miguel Falabella deve continuar com séries, em novelas o autor não se desenvolve bem. Balanço Geral. Um galo, um anão e um apresentador disposto a tudo por audiência. Desnecessário.

* Guilherme Rodrigues



Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *