Será que 2012 significa fim de linha para a Rede TV?

A Rede TV caminha para completar 13 anos no ar. O ano treze poderia ser considerado de azar por conta do número, ao mesmo tempo em que alguns preveem o final do mundo para 2012.

Analisando o canal de modo geral, parece que estão entrando no ar agora, ou seja, uma emissora recém criada.

Parece piada, mas a Rede TV era muito mais profissional quando entrou em cena que hoje. Trabalha de qualquer jeito, faz planos que não cumpre e, mais do que nunca, desrespeita seus profissionais.

E tenta abafar. Demite quem resolve colocar a boca no trombone.

Como resultado, perde seu principal produto. Aqui insisto dizer ser o principal porque, ali, pouco se salva. E pra mim o Pânico não é principal em coisa nenhuma.

Mas era a maior audiência, maior faturamento.

Sem o programa, vão continuar acumulando dívidas?

O ano começou com notícias de que Hebe está querendo pular fora do barco e se intensificaram as informações sobre negociações entre Luciana Gimenez e a Band.

Aliás, saiu hoje que a Band também quer a Hebe.

Ou seja, isso tá virando uma bola de neve.

Não precisa ser nenhum adivinho pra prever que irão aumentar os horários destinados a programação religiosa.

Vale lembrar que antes da saída do Pânico já havia notícia que na faixa das 21h, assim como a concorrente, teriam um pastor.

E pensar que há algum tempo disseram que iriam parar com os informerciais e produzir mais.

Não vejo esse cenário nem num curto nem longo prazo. A situação ali é mais complicada que os perrengues passados por SBT e Record.

A Rede TV entrou no ar brigando pela terceira posição e muitas vezes pela segunda. Hoje com sorte consegue se posicionar na quarta.

É um bom momento pra começar de novo. Essa conclusão, aliás, tem tudo a ver com o início desse artigo.



Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *