Weeds: Melhor que todas as outras temporadas juntas (sexto ano)

Quando comecei a assistir o sexto ano de Weeds não consegui mais parar. Extremamente eletrizante.

Se os demais eu demorei cerca de uma semana para assistir, essa temporada levei dois dias. Essa é uma das vantagens de séries com episódios mais curtos, em uma hora dá pra assistir dois.

O que mais me surpreendeu?

Celia Hodes sempre foi minha personagem favorita e quando soube que a atriz tinha deixado o seriado fiquei chateado e me questionei se Weeds sobreviveria sem ela.

Eis que, no final das contas, achei o sexto ano o melhor de todos com uma família doidona em fuga, mudando nomes, tentando mudar de vida e, no final, seguindo como os traficantes doidos que sempre foram.

Andy de padre? Really?

E aquele final, com o plano C? Acho que ninguém esperava que Nancy iria se entregar para a polícia, deixando Esteban com uma tremenda cara de bunda.

O que mais me deixa surpreso em Weeds?

Ter acompanhado o crescimento de Alexandre Gould, o Shane.

Pra quem vê em ritmo de maratona como eu esse desenvolvimento é mais evidente, pois tudo está fresquinho na memória. Começou criancinha e já é um homem!

Esse texto na verdade já era pra ter sido publicado pois, na verdade, estarei em dia com a produção quando você estiver lendo.

Ou seja, não consegui parar de assistir. É vício mesmo.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*